João Moreira     |       26 mar 2018

Uruguai vence País de Gales e fatura a China Cup

Em mais uma exibição que deu motivos para os uruguaios sonharem alto na Copa do Mundo, o Uruguai venceu o País de Gales por 1 a 0 na decisão da China Cup. O gol celeste foi marcado por Cavani, que chegou a 42 gols pela seleção. A equipe de Óscar Tabárez fez provavelmente seu penúltimo jogo antes do Mundial, já que o único amistoso previsto é contra o Uzbequistão em junho, às vésperas da estreia na Copa.

PRIMEIRO TEMPO

A exemplo da partida contra a República Tcheca na última sexta, o Uruguai começou o jogo cheio de gás e sufocando o adversário. Prova disso é que com apenas um minuto, Suárez acertou a trave após passe de Cebolla Rodríguez. Os europeus tentaram responder logo depois com um remate de Vokes, mas o chute do camisa 9 parou nas mãos de Muslera. O que se viu a partir daí foi a equipe charrua imprimindo seu ritmo. Marcação adiantada, laterais dando profundidade ao jogo, rápida recomposição ao perder a bola e muita paciência na troca de passes. Cavani teve a chance de inaugurar o placar aos 13’, mas não alcançou o cruzamento de Luisito Suárez. Depois foi a vez de Matías Vecino assustar num chute de primeira na entrada da área. A tática uruguaia de morder a saída de bola de País de Gales estava dando certo. Aos 30’, a zaga falhou e a bola sobrou pro Suárez, que driblou o goleiro e com o gol vazio acertou a trave mais uma vez. A equipe de Ryan Giggs tentava retrucar por meio de chutes de fora da área e bolas alçadas à procura do centroavante Vokes, mas sem sucesso. O domínio uruguaio era traduzido em chances. Só o Cavani teve mais duas oportunidades até o fim do primeiro tempo, mas não conseguiu marcar. No finzinho, o País de Gales assustou e colocou o Muslera pra trabalhar. O camisa 1 salvou a primeira num chute de fora da área e depois fez uma defesaça numa falta batida pra área que passou por todo mundo e quase traiu o goleiro uruguaio.

SEGUNDO TEMPO

Assim como na primeira etapa, o Uruguai começou dando as cartas. Só que ao contrário dos primeiros 45 minutos, a pontaria uruguaia voltou afiada. Depois de uma bela jogada coletiva, já que a bola passou por 9 jogadores uruguaios, Cristian Rodríguez cruzou na medida para Cavani abrir o placar em Nanning. O empate galês quase veio num chute de fora da área de King que raspou a trave. O jogo era lá e cá e, depois de quase sofrer o empate, o Uruguai teve o 2 a 0 nas mãos, mas Cavani furou o cruzamento cara a cara com o goleiro. Nos últimos 15 minutos, o Uruguai se retraiu um pouco em campo e chamou o adversário para cima a fim de aproveitar os contra-ataques. A tática perigosa quase custou caro, uma vez que os galeses insistiam e assustavam de verdade em cada chute de fora da área, principal arma da equipe. Apesar dos sustos no fim, o Uruguai segurou o resultado e conquistou o torneio amistoso.

IMPRESSÕES

A maneira como o Uruguai atuou nos dois jogos da China Cup chama a atenção pela reinvenção do estilo de jogo da equipe comandada por Óscar Tabárez. Tradicionalmente postada à espera de um contra-ataque e dona de uma marcação intensa, assumindo o papel de coadjuvante nas partidas, a seleção uruguaia mostrou uma cara de protagonista. A marcação intensa segue vigente, mas agora desde o campo ofensivo. O Uruguai que outrora desdenhava de ter o controle das ações do jogo, agora faz questão de manter a posse de bola e ditar o ritmo da partida. As mudanças nas laterais (Maxi Pereira por Varela/Cáceres por Laxalt) dão uma melhor dinâmica à transição de setores do time. Outro ponto que salta aos olhos é a compactação e a velocidade em recuperar a bola após a perda da mesma. Jovens jogadores como Bentancur, Vecino e Torreira dão uma nova cara e renovam a seleção que por muitas vezes era taxada como desgastada. Pelo que mostrou nestes dois jogos, o Uruguai tem tudo para fazer uma campanha parecida com a do Mundial de 2010 (4º lugar). Ou quem sabe até melhor.

FICHA DO JOGO

Uruguai: Muslera; Varela, Godín, José Giménez (Coates), Laxalt; Bentancur (Gastón Silva), Vecino, Cristian Rodríguez (Torreira), Nández (Stuani); Cavani (Maxi Gómez), Suárez.

País de Gales: Hennessey; Davies (Hedges), Williams, Chester (Lockyer); King, Allen, Decan John (Roberts), Gunter (Matthews), Harry Wilson (Lee Evans), Bale; Vokes (Bodin).

Gol: Cavani (URU - 3’ 2T)

Foto: Twitter/AUFOficial