Vinícius Eutrópio leva o Bolívar à vitória contra o favorito Atl. Nacional
  João Moreira     |       06 abr 2018

Vinícius Eutrópio leva o Bolívar à vitória contra o favorito Atl. Nacional

Uma das sensações da Libertadores desse ano e considerado um dos favoritos ao título, o Atlético Nacional subiu até La Paz em busca de manter o 100% de aproveitamento na competição. O que os verdolagas não esperavam é que a zebra fosse pastar no gramado do Hernando Siles. O Bolívar, comandado pelo brasileiro Vinícius Eutrópio (que vem fazendo um bom trabalho, diga-se de passagem), vinha de dois empates na Liberta e tinha nesse terceiro jogo o divisor de águas nas ambições da equipe. O cenário somado à altitude fez os bolivianos jogarem o que não haviam jogado até agora e sapecar uma vitória marota pra cima dos colombianos.

PRIMEIRO TEMPO

Os dois times começaram a partida de formas distintas. Enquanto os donos da casa partiram pra pressão desde o início, o Atlético optou por ocupar os espaços do meio-campo para tentar frear o ímpeto boliviano.

Em menos de 15 minutos, o Bolívar teve duas chances claras de abrir o placar: a primeira com o Saavedra, que chutou da entrada da área com muito perigo. A segunda, tão perigosa quanto a anterior, foi de Bejarano ao tabelar, invadir a área e chutar de primeira à esquerda do gol de Monetti.

O campeão da Libertadores de 2016 tentava responder de forma esporádica. Lucumí assustou o goleiro Quiñonez com um chute forte da entrada da área. A pressão dos donos da casa era tão intensa que eles até chegaram a balançar a rede após a falta cobrada por Ferreira estourar na trave e, no rebote, Arce empurrar pra rede. Mas o bandeirinha acabou com a festa celeste ao anotar impedimento do atacante.

Na sequência veio a alegria sem nenhum estraga-prazer pra atrapalhar. Saavedra fez boa jogada pela direita, foi à linha de fundo e cruzou. O atacante Marcos Riquelme fez jus ao sobrenome e acertou um belo chute pra abrir o placar pro Bolívar no fim do primeiro tempo.

SEGUNDO TEMPO

Com a desvantagem no placar, os colombianos voltaram do intervalo descansados e dispostos a fazer o Bolívar sofrer. O time de Almirón foi à frente e devolveu a pressão sofrida no primeiro tempo. Torres teve a chance de igualar o marcador logo no comecinho, mas desviou mal o cruzamento vindo da direita. Em resposta, Ferreira, que tinha acertado a trave no primeiro tempo, dessa vez quase marcou com uma cabeçada que passou rente ao ângulo.

O jogo ganhou ares de corrida armamentista com as duas equipes tentando machucar o adversário de alguma forma. Apesar do arrojo ofensivo, ambos os times pouco conseguiam se aproximar de balançar a rede.

Isso só até aos 45 do segundo tempo quando o zagueirão Gutiérrez cochilou e deixou o Lucumí se antecipar a ele na área. O camisa 5 do Bolívar apelou e deu um carrinho por trás para tentar impedir o gol colombiano. O árbitro Nestor Pitana não pestanejou e apitou o pênalti. Depois de 2 minutos de muita enrolação, palestra e lenga-lenga, Reinaldo Lenis colocou a bola na marca da cal e partiu pra cobrança. O goleiro Quiñonez caiu pro lado direito, a bola foi pro esquerdo e acabou passando ao lado da meta. Chance desperdiçada e derrota em La Paz para o não mais 100%, Atlético Nacional.

IMPRESSÕES

A derrota do Atlético Nacional acaba sendo doída pela chance clamorosa de empatar no último minuto. Apesar do revés, este era um jogo “perdível” para os verdolagas, visto a dificuldade de se jogar na altitude de La Paz. Mesmo sem pontuar, a equipe segue líder isolada do grupo 2 com 6 pontos. Para o Bolívar, a vitória traz alívio e confiança para seguir na Copa Libertadores. O time de Vinícius Eutrópio chegou a 5 pontos e ocupa a vice-liderança. Se conquistar pelo menos mais quatro pontos dos 12 restantes, os bolivianos devem avançar sem problemas às oitavas de final.

Foto: Twitter/Conmebol