João Moreira     |       18 abr 2018

Defensor vence e encosta no Grêmio no grupo 1

O Defensor entrou na 3ª rodada da fase de grupos com a obrigação de vencer em casa o último colocado do grupo, o fraquíssimo Monagas da Venezuela. Já os venezuelanos foram até Montevidéu com a esperança de conquistar o primeiro ponto na competição e, teoricamente, o duelo contra os uruguaios era onde isso seria mais viável de acontecer, uma vez que os outros dois adversários do grupo, Cerro Porteño e Grêmio, são infinitamente superiores.

PRIMEIRO TEMPO

Apesar da necessidade dos três pontos para seguir sonhando com uma vaga na próxima fase, o Defensor demorou a se encontrar no jogo. O que se viu logo no começo foi o time venezuelano tomando o controle da partida e rondando a área violeta. O duelo se desenrolou de forma equilibrada com ambos os times atacando e se defendendo na mesma intensidade.

A partir dos 25 minutos de bola rolando, os donos da casa começaram a fazer valer a força da pequena torcida do Parque Rodó, mas pecavam na hora de transformar as chances em finalizações certeiras.

Quem ameaçava mesmo era o pessoal venezuelano, que chegava na base dos contra-ataques e, se não fosse por duas defesas do goleiro Guillermo Reyes, o Defensor teria ido com uma baita dor de cabeça para o vestiário.

SEGUNDO TEMPO

Assim como ocorreu no jogo entre Grêmio e Monagas na rodada passada, os venezuelanos não conseguiram mostrar a mesma força defensiva do primeiro tempo na segunda etapa. Se lá em Porto Alegre foi o Jael que furou a zaga logo no comecinho, na capital uruguaia foi Carlos Benavidez o primeiro a marcar contra o Monagas com uma bela cabeçada.

A festa no Franzini durou pouco graças a um coelho que o técnico venezuelano tirou da cartola. Três minutos depois de sofrer o gol, Jhonny Ferreira sacou Vigliotti do banco e o colocou em campo. Não demorou mais do que dois minutos para o atacante retribuir a confiança do comandante e decretar o empate após falha da zaga uruguaia. Detalhe: esse foi o primeiro gol do Monagas na Copa Libertadores.

O troco uruguaio na arte de ser estraga-prazer foi mais rápido do que o do rival. Um minuto depois, Carlos Benavidez, de novo de cabeça, voltou a colocar o Defensor na frente do placar.

O revés instantâneo impactou o time venezuelano, que sucumbiu diante do adversário melhor preparado. Prova disso é que os uruguaios ampliaram logo depois em cobrança de pênalti de Matias Cabrera. 3 a 1.

O placar poderia ser ainda mais elástico se o jovem de apenas 16 anos, Emiliano Gómez, revelação do Defensor, não tivesse desperdiçado um pênalti no final da partida.

IMPRESSÕES

O Defensor enfrentou mais dificuldades do que imaginava diante de um rival notoriamente inferior tecnicamente e fisicamente. Depois de demorar para se encontrar em campo no primeiro tempo, a equipe violeta deslanchou na segunda etapa, apesar do susto de sofrer o empate logo após abrir o placar. A vitória, que era de suma importância para que a equipe seguisse viva na Libertadores, veio e credencia o Defensor a brigar por uma vaga nas oitavas em caso de uma derrapada de Cerro Porteño ou Grêmio.

Para o Monagas, a Libertadores praticamente chegou ao fim. Não que isso não fosse esperado mesmo antes do início da competição. Tanto no jogo contra o Grêmio como o desta noite diante do Defensor, a equipe mostrou-se muito esforçada e com alguma virtude defensiva. Mas isso ainda é muito pouco para tentar incomodar os rivais na competição.

Foto: Twitter/Conmebol