João Moreira     |       03 abr 2018

Escândalo de abuso de menores atinge o River Plate

Há duas semanas, uma denúncia chacoalhou o Independiente por causa de um esquema de abuso de menores nas categorias de base do clube por parte de uma rede de prostituição. A revelação levou à detenção de seis pessoas. Agora é a vez de uma denúncia do mesmo calibre estourar no River Plate. Uma ex-médica do time argentino acusa que dois jogadores menores de idade e também uma jogadora da equipe de vôlei foram abusados sexualmente entre os anos de 2004 e 2011.

Segundo o relato da médica, uma transexual conhecida pelo apelido “La Lore” tinha contato sexual com os menores abusados e também fazia a intermediação de relações sexuais dos adolescentes com outras pessoas. Ainda de acordo com o testemunho da ex-funcionária do River, La Lore tinha livre trânsito nas dependências do clube, apesar de não ter nenhuma função no River Plate, e chegava a frequentar o clube de duas a três vezes por semana.

A médica diz que descobriu esses supostos abusos por meio do psicólogo do clube para o qual os jovens relataram os abusos, mas já suspeitava de que algo estava acontecendo porque esses menores se queixavam de dores na região pélvica, recorrentes em casos de abuso sexual anal.

Assim que foi informada dos abusos, a médica alega que comunicou os diretores de seu departamento sobre os crimes, mas que os mesmos disseram para “ela não se meter nisso”. Pouco tempo depois de informar seus superiores, a médica foi demitida do clube sem justificativas.

A médica já fez a denúncia oficialmente e conta com o apoio da Associação de Ajuda às Vítimas de Violação (AVIVÍ), que assessora e acompanha o caso de perto. O advogado da associação e uma das representantes afirmam que vêm sofrendo ameaças desde a revelação do caso.

O River Plate informou por meio de comunicado oficial que está à disposição para colaborar com a justiça.

Foto: clarin.com