João Moreira     |       05 jan 2018

O bom filho a casa torna

Carlitos Tévez está de volta ao Boca Juniors. O craque formado nas categorias de base do clube argentino acertou hoje a rescisão do contrato com o Shanghai Shenhua da China e já se reuniu com os novos companheiros de time no hotel onde o plantel portenho realiza a pré-temporada. O contrato estipulado será de dois anos e falta apenas a assinatura do atleta para oficializar a contratação.

Tévez, que chegou a ser especulado no Flamengo, é o principal reforço do Boca Juniors para a disputa da Copa Libertadores desse ano. Essa será a terceira passagem do Apache, como é chamado por lá, pelo time de coração. O atacante estreou nos profissionais do Boca em 2001 e permaneceu até 2005, quando se transferiu para o Corinthians. Depois da passagem pelo Brasil, Carlitos rodou pela Europa em clubes como West Ham, Manchester City, Manchester United e Juventus. Em 2015 retornou para a segunda passagem pelo time Xeneize. Pouco tempo depois, no fim de 2016, acertou sua ida ao futebol chinês. Agora, o craque retorna mais uma vez para continuar sua história vitoriosa em solo argentino, já que pelo Boca Juniors ele conquistou 3 Copas Libertadores, 1 Mundial de Clubes, 2 Copas Sul-americanas, 2 Campeonatos Argentinos e 1 Copa da Argentina.

QUAL CAMISA?

Uma das curiosidades em relação ao retorno de Carlitos ao Boca é a dúvida de qual número o atacante vai usar nessa passagem. O jogador já informou ao clube que não pretende pedir a camisa 10, que hoje é usada por Edwin Cardona. A escolha seria pela camisa 32, número que Tévez utilizou nos três times ingleses que defendeu e também na China. Porém, esse número só poderia ser utilizado na Superliga Argentina, já que o regulamento da Libertadores só permite números de 1 a 30. Para o torneio continental, o atacante terá que escolher outro número.

JÁ VESTIRAM A CAMISA

Se Tévez ainda não foi apresentado oficialmente, outros três reforços já foram anunciados pelo Boca Juniors: o lateral-direito Buffarini, ex-São Paulo, o lateral-esquerdo Emmanuel Mas, campeão da Libertadores pelo San Lorenzo e o atacante Ramon Ábila, ex-Cruzeiro e que estava no Huracán.