João Moreira     |       01 mai 2018

Santos perde para o Nacional, mas garante classificação

A melhor notícia da noite para os santistas veio quando os jogadores do Peixe se preparavam para subir ao campo do Gran Parque Central. Lá em Cusco, no Peru, a partida entre os outros componentes do grupo, Real Garcilaso e Estudiantes, terminou empatada sem gols pouco antes do começo do jogo entre Nacional e Santos. O resultado acabou fazendo com que o alvinegro garantisse a vaga antecipada nas oitavas de final. Graças à essa notícia, o jogo ganhou ares decisivos para o time uruguaio, já que resta apenas uma vaga no grupo, e tirou a pressão da equipe comandada por Jair Ventura.

PRIMEIRO TEMPO

A primeira etapa não ofereceu muitas emoções aos torcedores de ambas as equipes. Nacional e Santos iniciaram a partida brigando pelo meio-campo e tentando penetrar nas defesas rivais. Muita disputa, mas pouca qualidade técnica marcaram os primeiros 45 minutos.

A equipe brasileira depositava toda a esperança na dupla ofensiva formada por Rodrygo e Gabigol, mas o ataque santista pouco incomodou o goleiro Conde. Do outro lado, as principais jogadas uruguaias passavam pelos pés do talentoso Viudez. O camisa 10 até tentava, mas sofria com ineficiência de seus colegas de time.

As melhores chances foram criadas pelos donos da casa. A primeira após bobeira de Daniel Guedes, que entregou a bola nos pés de De Pena. O uruguaio bateu forte e acertou a rede, só que pelo lado de fora. A segunda foi ainda mais clara, só que para a sorte santista, Romero perdeu um gol inacreditável após rebote de Vanderlei em chute de média distância. Com o gol vazio pela frente e quase na pequena área, o meia estourou a bola na trave.

SEGUNDO TEMPO

O Nacional voltou para a segunda etapa sem Viudez, que foi substituído pelo atacante Barcia. A intenção do treinador Medina era dar mais velocidade e presença no ataque.

Logo aos 5 minutos, a mentalidade ofensiva quase deu certo após Vanderlei falhar ao afastar a bola de soco e Fucile, aquele mesmo, bater forte e quase abrir o placar contra sua ex-equipe.

Aos 12 veio a prova de que o comandante do Bolso estava certo em apostar suas fichas no garoto Barcia. Jogada bem trabalhada pela esquerda, Espino cruzou rasteiro e Barcia se antecipou à marcação para tocar pro fundo do gol. 1 a 0.

A partir da vantagem uruguaia no placar, o duelo ganhou ares de monotonia e sonolência. O Nacional se dava por satisfeito pelo resultado que o colocava como vice-líder. Já o Santos freava sua reação na ineficácia e inoperância de boa parte do time.

A chance da equipe de Jair Ventura buscar o empate virou pó quando Rodrygo, o mais lúcido e ativo do time, teve que sair de campo lesionado após várias bordoadas dos marcadores do Bolso.

Nos acréscimos, o Santos ainda assustou a torcida no Parque Central com a cobrança de falta de Dodô que deu trabalho ao Conde.

IMPRESSÕES

O Santos jogou mal. Pode ter sido pela classificação antecipada antes mesmo de entrar em campo. Pode ter sido pelo fraco futebol de suas principais peças. Ou pode ter sido a soma desses dois fatores. Mas a realidade crua e nua é que o Peixe não fez por merecer ganhar sequer um ponto na capital uruguaia. Foi dominado pelo Nacional, que também não fez uma grande partida, mas mostrou mais vontade em sair de campo vitorioso.

O resultado não foi o melhor para os santistas, mas o que valeu na noite foi a classificação às oitavas graças ao empate entre Garcilaso e Estudiantes.

Resta ao time focar em garantir a primeira posição na última rodada. Vai ter que jogar mais do que jogou hoje para que isso aconteça.

Foto: Twitter/@ESPNagora